Jornal da Vida

Maior cidade brasileira tem novo prefeito dia 1o

Jornal da Vida

João Doria assume a cidade de São Paulo

João Doria assume a cidade de São Paulo

João Doria será o prefeito de São Paulo, a maior cidade do país com 12.038.175 habitantes, a partir do dia 1o de janeiro de 2017. A segunda maior cidade do país, o Rio de Janeiro com 6.498.837 habitantes, será comandada por Marcelo Crivela. Salvador, na Bahia, com 2.675.656, registra o segundo mandato consecutivo de ACM Neto.

As cerimônias de posse nas médias e pequenas cidades do país estão programadas também para o domingo. A cidade paulista de Barretos reelegeu Guilherme Ávila com 26.681 votos. Bebedouro reelegeu Fernando Galvão com 24.667 votos. Olímpia escolheu Fernando Augusto Cunha para a chefia do executivo com 16.017 votos.

Alguns resultados são emblemáticos: Claudinei Alves dos Santos - Ney Santos - obteve 64.828 votos, mas a posse ainda é incerta. Osasco optou por Rogério Lins Wanderley, o mais votado com 218.779. A posse está sendo questionada, por ter sido preso na manhã de domingo, ao retornar de Miami.

Em Rio Preto, a vitória em primeiro turno de Edinho Araújo foi fulminante, totalizando 113.377 votos. Ribeirão Preto elegeu no segundo turno Duarte Nogueira, com 147.705 votos. O município de Colômbia elegeu Endrigo Bertin para o executivo, com 2.765 votos.

O processo eleitoral de Colina depende de decisão do Plenário do Tribunal Superior Eleitoral. Por despacho do ministro Gilmar Mendes dia 22 de dezembro, Died Taha será empossado prefeito de Colina no dia 1o de janeiro de 2017. Em caso de o TSE manter o indeferimento do pedido de registro, os procedimentos para a realização de eleições suplementares serão providenciados pela Justiça Eleitoral. A justiça eleitoral paulista confirmou a vitória de Silas Marques da Rosa, em Vargem, com seus 2.805 votos. O caso estava pendente na corte.

O ministro Gilmar Mendes, presidente do TSE, sustenta que compete à Justiça Eleitoral verificar a presença de elementos mínimos que revelem má-fé, desvio de recursos públicos em benefício próprio ou de terceiros, dano ao Erário, reconhecimento de nota de improbidade, grave violação a princípios, entre outros, entendidos assim como condutas que de fato lesem dolosamente o patrimônio público ou que prejudiquem a gestão da coisa pública.

 

Publicidade
Fechar